Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2010

A VOLTA DO PEQUENO POLEGAR AO CORINTHIANS

30 anos após sua despedida dos gramados, Luizinho - o Pequeno Polegar - retorna  aos 65 anos de idade para passar a camisa de número 8 ao estreante Edmundo. Jogando apenas alguns minutos, Luizinho completou seu 606º jogo com a camisa do Timão.

Na Libertadores da América, o Timão foi eliminado pelo Grêmio nas Quartas-de-final, perdendo por 0 x 3 em pleno Pacaembu.
Em Agosto, o Timão conquista pela primeira vez o Troféu Ramon de Carranza, vencendo o Cadiz por 1 x 0, e o Real Bétis por 2 x 0 . O Timão jogou com Ronaldo, Villamayor, Célio Silva, Henrique e Silvinho; Bernardo, Marcelinho Paulista, Marcelinho Carioca , Souza, Alcindo e Alex Rossi.




CORINTHIANS CAMPEÃO PAULISTA E DA COPA DO BRASIL 1995

Em 21 de junho, na noite da Final contra o Grêmio, em Porto Alegre, Quando só o empate bastava, o Timão ganhou por 0 x 1, com gol de Marcelinho Carioca,o Timão Faturou sua 1ª Copa do Brasil, garantindo a terceira participação corintiana na Libertadores.

(André Santos, Bernardo, Célio Silva, Henrique, Zé Elias e Ronaldo. Agachados: Souza, Silvinho, Marques, Viola e Marcelinho Carioca.)


Depois de 3 derrotas seguidas  em decisões para o Palmeiras, finalmente, em 6 de agosto, o Timão vence seu eterno rival, acabando com a agonia de seus torcedores. Esse título também foi o primeiro do Timão em cima do Palmeiras na história do Campeonato Paulista.

(Bernardo, Célio Silva, Henrique, André Santos e Ronaldo. Agachados: Silvinho, Marcelinho Carioca, Zé Elias, Marques, Viola e Souza.)
(Jogadores posam após embate contra o Bragantino em jogo válido pelo primeiro turno do Paulista de 1995)

Nesse ano, além  da meninada do Timão conquistar o Tricampeonato da Copa São Paulo de Juniores, a  Escola de…

CORINTHIANS VICE-CAMPEÃO BRASILEIRO 1994

Torneio disputado por clubes paulista na época da Copa do Mundo, a conquista da Taça Bandeirantes, deu ao Timão uma vaga na Copa do Brasil de 1995. No ano seguinte, o Timão ganharia a Copa, classificando-se para a Libertadores de 1996.

(Campeão da Taça Bandeirantes: Elias, Gralak, Wilson Mano, Henrique, Zé Elias e Ronaldo. Agachados: Viola, Marques, Ezequiel, Marcelinho Carioca e Souza.)
Em dezembro de 1994, o Timão chega a mais uma Final do Campeonato Brasileiro. Com veteranos como Paulo Roberto e Branco, o Corinthians fica com o vice-campeonato ao empatar com o Palmeiras por 1 x 1 na última partida.
(Paulo Roberto, Henrique, Luizinho, Gralak, Branco e Ronaldo.Agachados: Marcelinho Paulista, Marques, Souza, Viola e Marcelinho Carioca.)

O "CARROSEL CAIPIRA" DO CORINTHIANS

Após perder para o Palmeiras na Final do Paulistão, a Diretoria foi buscar reforços no Mogi-Mirim, a revelação do Campeonato. Para a disputa do Rio-São Paulo, trouxe : Admilson, Valber, Rivaldo e Leto. Infelizmente nenhum deles vingou no Parque São Jorge. Principalmente Rivaldo, que  viria a ser eleito  o maior jogador do mundo pela FIFA, em 1999, quando atuava pelo Barcelona (ESP). Rivaldo teve duas passagens pelo Timão. A 1ª em 1993, e a segunda para disputar o Paulista de 1994, ambas por empréstimo. O Timão, ao final do período , acabou vacilando na contratação, e Rivaldo foi parar no Palmeiras onde viria a ser Campeão Brasileiro de 1994, e Paulista de 1996.
(Rivaldo, Admílson, Válber, Hugo e Leto)

(Ronaldo, Luiz Carlos Winck, Marcelo, Rivaldo, Marcelinho Paulista e Henrique.Agachados: Leto, Valber, Ezequiel, Admilson e Viola.)

CORINTHIANS CAMPEÃO BRASILEIRO DE 1990

Maior campeão de seu Estado, o Timão não dava sorte em competições nacionais. Formado por um elenco sem grandes estrelas, o timão levantou pela primeira vez a taça de Campeão Brasileiro . O Timão entrou naquele dia 6 de dezembro, precisando de um empate, já que havia ganho a primeira partida por 1 x 0. O São Paulo de Telê Santana e Raí era superior ao escrete corinthiano, mas a raça corinthiana predominou mais uma vez. Na primeira partida, com gol de joelho do coringa Wilson Mano, o Timão saiu com a vantagem para o segundo confronto. Na segunda e decisiva partida, e jogando pelo empate, o Corinthians, através do meia Tupãzinho, fez o gol que daria ao Timão seu primeiro título de Campeão Brasileiro.








CORINTHIANS CAMPEÃO PAULISTA DE 1988

O Guarani tinha Ricardo Rocha, Evair, João Paulo, Boiadeiro, Paulo Isidoro e Neto que, no primeiro jogo das Finais (1 x 1), fez até gol de bicicleta. O Corinthians que precisava da vitória para conquistar o título, viu-se sem seu principal atacante, Edmar, que estava servindo a Seleção Olímpica do Brasil. O técnico Jair Pereira sem muitas opções optou em escalar um jovem atacante que tinha sido recentemente promovido das categorias de base; Viola. Durante o tempo normal, a equipe corinthiana segurou bravamente o empate. Na prorrogação, após um chute torto do coringa Wilson Mano, Viola conseguiu desviar a bola, que tinha outro destino , para o fundo das redes do gol bugrino. Imitando seu antecessor, Rui Rei, Viola arranca sua camisa, e joga-a para a Fiel. Detalhe, ele estava vestido com uma outra camisa por baixo, tal qual Rui Rei, em 1978. O timão se tornava, pela vigésima vez, o melhor de São Paulo.
(Biro-Biro, Denílson, Viola, Márcio, Ronaldo, Dida, Édson, João Paulo, Paulinho Cari…

1987 A VOLTA DO FAZ-ME RIR?

Com apenas 14 pontos ganhos em 38 disputados, o Timão terminou o primeiro turno do Paulistão em penúltimo lugar, e apenas um ponto à frente do Novorizontino. O time perdido em campo, fazia lembrar o de 1961, que entrou para a história com o inglório apelido de "faz-me rir". Porém, no segundo turno, o que parecia impossível aconteceu. O time ganhou 13 dos 19 jogos disputados e, de candidato a rebaixado, foi para a Final contra o São Paulo, perdendo um jogo (2 x 1) e empatando o outro (0 x 0).
(Valdir Peres, Mauro, Biro-Biro, Dida, Édson e Ailton. Agachados: Jorginho, Eduardo, Edmar, Éverton e João Paulo.)


A SELEÇÃO CORINTHIANA DE 1985

Com o fim da Democracia Corinthiana, e novamente sob a tutela de Vicente Matheus, o Timão monta um time recheado de estrelas, graças ao milhões conseguidos com a vende de Sócrates para à Fiorentina no ano anterior. Jogadores como : Carlos, Édson, Juninho, De Leon, Wladimir, Dunga, Casagrande, Zenon, Paulo César, Serginho e João Paulo, todos com passagem pela Seleção Brasileira ou Uruguaia (De Leon). No papel, era um verdadeiro esquadrão, que contava ainda com Biro-Biro, Arturzinho, Eduardo e Wagner Basílio, mas em campo, a Seleção Corintiana não vingou. No Brasileirão foi eliminado precocemente, num grupo composto por equipes supostamente modestas ( Joinville, Sport e Coritiba).
No Paulistão, não consegue avançar às semifinais da competição.
(Carlos, Casagrande, Serginho, Zenon, Dunga e João Paulo. Agachados: De Leon, Juninho, Édson, Biro-Biro e Wladimir.)

Em 29 de setembro de 1985: no mês do 75 aniversário do clube (Jubileu de Diamante), o Timão entra em campo com réplicas das camis…

O ADEUS DO DOUTOR SÓCRATES.EM 1984

Dia 10 de junho de 1984 ficou marcado como o último jogo do "Doutor" Sócrates com a camisa do Timão, e o último gol marcado. O fato se deu na derrota por 2 x 1 em um amistoso contra a Seleção da Jamaica. A despedida do Timão em campos brasileiros se deu 7 dias antes, mais precisamente no dia 3 de junho, em um amistoso contra o Vasco da Gama, 3 x 0 para o Corinthians. Vendido para a Fiorentina da Itália, a Fiel despede-se de um de seus maiores ídolos e craque da história do clube.
Foram 297 jogos, 172 gols, e 3 Títulos do Paulistão.
No Brasileirão de 1984 , o time cai nas semifinais para o Fluminense. No Paulistão, chegou à última rodada precisando de uma vitória simples contra o Santos para realizar um sonho de 45 anos: o Tricampeonato Paulista. Só esqueceram de avisar o goleador santista Serginho Chulapa. No final o  Santos venceu por  1 x 0, acabando com o sonho do Tri. (Carlos, Zenon, Lima, Arturzinho, Eduardo e Dunga.Agachados: Biro-Biro, Wagner, Wladimir, Juninho e É…

A DEMOCRACIA CORINTIANA É BICAMPEÃ PAULISTA EM 1983

Mantida a base do time campeão de 1982,  reforçado com Juninho, Paulo Egídio, Leão, etc, e sob o comando do técnico Jorge Vieira, o Timão inicia sua caminhada para o bicampeonato .
Apesar da críticas, e a contrariedade dentro do próprio elenco, principalmente pelo goleiro Leão, a Democracia Corintiana de Wladimir, Sócrates, Zenon e Casagrande, colheu os frutos novamente conquistando o Bicampeonato estadual, título que o clube não comemorava há 31 anos. As duas decisões ganhas foram contra o São Paulo 1 x 0 e 1 x 1. No Brasileirão, o timão é eliminado pelo Goiás nas oitavas-de-final.
(Leão, Sócrates, Casagrande, Eduardo, Biro-Biro e Zenon. Agachados: Mauro, Alfinete, Paulinho, Juninho e Wladimir.)



(Leão)

A DEMOCRACIA CORINTIANA É CAMPEÃ PAULISTA DE 1982

No início de 1982, o Timão disputava a Taça de Prata (Série B do Brasileiro). Três meses depois, chegava às semifinais da Taça de Ouro (Série A do Brasileirão). Em dezembro, um time solidário, liderado pela genialidade de Sócrates, e impulsionado pelos gols de Casagrande, sagrava-se Campeão Paulista de 82. O segredo chamava-se Democracia Corintiana, movimento que, bem ao gosto do clima de abertura política da época, pregava uma maior participação dos jogadores nas decisões do clube. (César, Zé Maria, Vagner, Gomes, Paulinho e Wladimir. Agachados: Eduardo, Sócrates, Casagrande, Zenon e Biro-Biro.)

(Campeão Paulista de 1982. Em pé: Solito, Sócrates, Ataliba, Casagrande, Zenon e Biro-Biro. Agachados: Mauro, Daniel Gonzales, Alfinete, Paulinho e Wladimir.)
(Biro-Biro, Casagrande e Sócrates)

(Ingresso do 1º jogo da final)

1981 ANO DO PRIMEIRO REBAIXAMENTO DO CORINTHIANS

1981 será um ano para ser esquecido pelos torcedores corinthianos. No Brasileiro, o time alcança sua pior classificação de sua história em campeonatos brasileiro, a 26º colocação. No Campeonato Paulista, que classificava apenas os 7 primeiros colocados automaticamente para o Brasileirão do ano seguinte, o Timão acabou na 8ª colocação, e viu-se obrigado a disputar a Taça de Prata, nome que se dava à segunda divisão do Campeonato Brasileiro. 
(Rondinelli, Gomes, Zé Maria, Rafael, Caçapava e Wladimir. Agachados: Biro-Biro, Sócrates, Mário, Zenon e Paulo César Caju)

CORINTHIANS CAMPEÃO PAULISTA DE 1979

Apesar do favoritismo disparado do Palmeiras de Telê Santana, foi o Timão que acabou faturando o título de 1979. Após embrólhio sobre uma partida que o Corinthians recusou-se a disputar contra a Ponte Preta em rodada dupla no dia 11 de novembro , ficou decidido que a equipe de Parque São Jorge perderia o jogo por WO. Com a pendência resolvida, foram definidas as semifinais do campeonato.  Corinthians e Palmeiras se enfrentariam em uma das semifinais. Na primeira partida, empate em 1 x 1. No segundo jogo, com direito a gol de canela de Biro-Biro, o Corinthians eliminava o bicho papão daquele ano, e partiria com tudo para mais uma decisão contra uma velha conhecida; a Ponte Preta. Revivendo a final de 77, só que sem o peso da ausência de títulos, Corinthians e Ponte Preta se preparam para a Primeira partida da decisão de melhor de três. Em 3 de fevereiro de 1980, com gol de Palhinha, o Corinthians vence por 1 x 0. Na segunda partida, realizada no dia 6 de fevereiro, um empate sem gols…

CAUSOS DO CORINTHIANS - CHORA PALMEIRAS

O Paulistão de 1979 teve 3 turnos e, em todos, o Palmeiras foi o melhor. Uma pendência no tapetão porém, adiou a decisão para fevereiro de 1980. Tempo suficiente para o Timão se entrosar e o Verdão de Telê Santana perder o ritmo. Um empate e uma vitória contra o arqui-inimigo levaram o Timão à decisão, e ao título, de novo contra a Ponte Preta.
(Jairo, Zé Maria, Mauro, Amaral, Caçapava e Romeu. Agachados: Luciano, Palhinha, Sócrates, Biro-Biro e Wladimir.)


(Jairo, Mauro, Luis Claúdio, Amaral, Caçapava e Romeu. Agachados: Luciano, Biro-Biro, Palhinha, Sócrates e Wladimir.)

1978 SÓCRATES CHEGA AO CORINTHIANS

Cobiçado por Palmeiras e São Paulo, que tinha a prioridade na aquisição do jogador, Sócrates chegou ao Timão, graças a habilidade e esperteza do então Presidente do Clube, Vicente Matheus. Sabendo que o São Paulo aguardava a venda do volante Chicão para concluir a compra do passe de Sócrates, Matheus pediu que seu irmão, Isidoro, marcasse um almoço com o então Presidente tricolor, Antônio Nunes Galvão, para apresentar uma suposta oferta pelo volante Chicão. Nesse interim, Matheus pegou um jatinho, e voou para Ribeirão Preto, afim de contratar Sócrates. Após longa negociação, e 5,8 milhões de cruzeiros no bolso dos dirigentes do Botafogo, Sócrates foi contratado.
Foi num clássico contra o Santos em 20 de agosto de 1978 que o Doutor Sócrates estreou com a camisa do Timão, e começou a deixar seu nome marcado para sempre na história do clube como um dos maiores jogadores de todos os tempos. Mais de 111.000 torcedores foram prestigiar a estréia dele no Morumbi. Junto com Sócrates, chegar…

CORINTHIANS CAMPEÃO PAULISTA DE 1977

Foram mais de duas décadas contratando jogadores, alguns a peso de ouro, além de vários técnicos. Mas no fim, o Timão voltou a comemorar um título de Campeão Paulista após 22 anos, 8 meses e 7 dias. Jogando com uma equipe relativamente modesta, a trajetória até o título não foi nada fácil. A derrota para o Guarani a quatro rodadas do final do último turno, quase tiram as chances do Timão lutar pelo título, mas felizmente, após o pito do técnico Brandão, os jogadores assumiram a responsabilidade, e conquistaram as vitórias necessárias para chegar à final.
A grande final, seria contra a Ponte Preta de Campinas,  time fortíssimo, e que já havia vencido o Corinthians 3 vezes nesse mesmo campeonato.
O primeiro jogo aconteceu no dia 5 de outubro, no Estádio do Morumbi, sob os olhares de mais de 65.000 torcedores. Com um gol de nariz de Palhinha aos 14 minutos do 1º tempo, o Timão sacramentou a vitória na primeira partida de melhor de três.
No segundo encontro, que poderia ser decisivo caso…

O 1º PASSO EM RUMO AO TÍTULO DE 1977

43 dias antes do triunfo final contra a Ponte Preta em 13 de outubro, o torcedor corintiano começava a desabafar com o título do Segundo Turno ( Taça Governador do Estado). A conquista veio do jeito que o torcedor mais gosta: com vitória, na final, sobre o Palmeiras 1 x 0 gol de Geraldão. Dizem porém, que o 1º passo rumo ao título ocorreu logo após à derrota para o Guarani em 21 de setembro, quando o técnico Brandão chegou aos seus comandados e falou "agora é com vocês", já que   com essa derrota obrigaria  o  Timão a vencer seus últimos 3 últimos jogos que lhe faltavam, contra o Botafogo em Ribeirão Preto, e contra a Portuguesa e o São Paulo no Morumbi caso quisesse chegar à final. Parece que os jogadores entenderam direitinho o aviso do técnico, pois venceram os 3 jogos, e classificaram o Timão para as finais.

1976 O ANO QUE A FIEL INVADIU O RIO DE JANEIRO

Domingo, 5 de dezembro de 1976. Copacabana amanheceu preto e branco, afinal, mais de 70.000 corintianos invadiram o Rio de Janeiro para acompanhar a semifinal do Campeonato Brasileiro daquele ano. Foi o maior deslocamento popular do mundo por causa de um evento esportivo, e também o maior público pagante que já assistiu a uma partida do Timão em sua história - 146.043 pagantes. Após o empate de 1 x 1 no tempo normal, vitória nos pênaltis por 4 x 1. No domingo seguinte, em Porto Alegre, a mesma equipe perderia a final para o Internacional de Falcão, Batosta e cia. por 2 x 0.

(Zé maria, Tobias, Moisés, Zé Eduardo, Givanildo e Wladimir. Agachados: Vaguinho, Neca, Geraldão, Ruço e Romeu.)









CORINTHIANS É VICE-CAMPEÃO PAULISTA DE 1974

Vinte anos após o último título de Campeão Paulista (1954), o Timão tinha novamente a chance de conquista-lo. Mas as esperanças morreram aos 24 minutos do segundo tempo, quando o ponta-direita palmeirense Ronaldo marcou o gol da vitória palmeirense, calando mais de 100.000 corintianos que estavam no Morumbi naquele fatídico domingo de 1974. Enfurecida, a Fiel encontrou em Rivelino, o culpado pela perda do título. Afastado do time pelo conivente Presidente da época Vicente Matheus, que em momento algum tentou preservar a imagem do ídolo Rivellino, foi vendido posteriormente ao Fluminense carioca. Dizem que a situação estava tão insustentável para Rivellino, que o mesmo abriu mão dos 15% que tinha direito na transação, para que pudesse ser liberado o mais rápido possível.
(Zé Maria, Buttice, Tião, Brito, Ademir e Wladimir. Agachados: Vaguinho, Lance, Zé Roberto, Rivelino e Adãozinho.)




1973 FESTA E CARNAVAL CORINTHIANO

Laudo Natel era o Governador (São Paulino) do Estado de São Paulo em 1973, e também o nome de uma Taça que era disputada por clubes da capital e do interior, antes do início do Campeonato Paulista. O Timão venceu, ganhando do Palmeiras de virada por 2 x 1, em pleno sábado de carnaval. Apesar do desdém dos adversários, a Fiel torcida saiu às ruas para comemorar.
(Zé Maria, Vágner, Ado, Tião, Luis Carlos e Miranda. Agachados: Vaguinho, Lance, Mirandinha, Rivelino e Marco Antônio.)
Em maio, chega ao Timão, o técnico Yustrich. Com fama de disciplinador, diziam que chegou a bater em alguns jogadores, veio para tentar tirar o Timão do buraco. Apesar dos esforços do técnico, o time não passou de um 4º lugar no Paulistão, e de um 12º lugar no Brasileiro. De positivo em sua passagem pelo Corinthians, foi a efetivação do então novato Wladimir como lateral-esquerdo do time principal.
(Yustrich)





1971 CORINTHIANS CONQUISTA O TORNEIO DO POVO

Em tempos de vacas magras, qualquer conquista era comemorada como um título mundial. Isso aconteceu em 1971, com o Torneio do Povo. Um quadrangular que reunia Flamengo, Atlético Mineiro, Internacional e o próprio Corinthians, os times mais populares do país. Na final contra o Internacional, no Mineirão, o Timão ganhou com um gol de falta de rivelino.
(Zé Maria, Luis Carlos, Benê, Tião, Ditão e Ado. Agachados: Pedrinho, Lindóia, Paulo Borges, Rivelino e Aladim.)
Em 7 de agosto o Timão faz o seu primeiro jogo em Campeonatos Brasileiros. O jogo é em Recife contra o Santa Cruz. O timão vence a partida por 1 x 4 com gols de Rivelino, Tião, Vaguinho, Mirandinha, e Luciano para o Santa Cruz.

(Luis Carlos, Tião, Sadi, Ado, Zé Maria e Pedrinho. Agachados: Lindóia, Samarone, Rivelino, Mirandinha e Peri. Adãozinho no destaque)




Em 25 de abril de 1971



1970 A ESTRÉIA DE ZÉ MARIA NO CORINTHIANS

1970, ano de Copa do Mundo, o Timão é representado por 2 de seus jogadores, Rivellino e o goleiro Ado. Enquanto a Seleção conquistava seu 3º Título Mundial no México, aqui em São Paulo, o Corinthians caminhava para seu 16º ano sem levantar o Título do Paulistão, ficando apenas na 5º colocação. De positivo, foi a estréia de Zé Maria com a camisa alvinegra. Vindo da Portuguesa de Desportos, Zé Maria ficaria por 13 anos, e tornaria-se ídolo e símbolo da raça corinthiana.
(Rivelino)


(Zé Maria)


(Goleiro Ado em ação)

1969 UMA TRAGÉDIA ABALA O CORINTHIANS

O Timão começou o Paulistão a todo vapor, com 12 vitórias em 15 jogos, inclusive nos clássicos com São Paulo, Palmeiras, Santos e Portuguesa. Até que um acidente automobilístico tirou a vida do lateral-direito Lidu, e do ponta-esquerda Eduardo. Desestabilizada, a equipe naufragou no quadrangular decisivo do Paulistão. Em agosto, o Timão fatura  a IV Copa del Sol, vencendo o Malaga(ESP) por 1 x 0, e o Barcelona(ESP) por 2 x 1.

(Ditão, Luis Carlos, Dirceu Alves, Pedro Rodrigues, Lidu e Lula. Agachados: Paulo Borges, Tales, Benê, Rivelino e Eduardo.)