Pular para o conteúdo principal

GRANDES ÍDOLOS - VIOLA

Garoto pobre, vindo da periferia de São Paulo, Paulo Sérgio Rosa ganhou esse apelido, graças ao par de chuteiras da marca Viola que comprou, e cuja qualidade era contestável, porém a única que podia comprar.
Começou nas categorias de base do clube no antigo terrão, onde começou a aparecer como uma futura promessa. Lançado às pressa ao time profissional em 1988 nas semifinais do Campeonato Paulista -  Edmar que era o centroavante titula havia sido convocado para a Seleção Brasileira; coube ao jovem Viola marcar o gol que valeu o Título do Paulistão de 1988.
Graças a esse feito, tornou-se herói do dia para a noite. Após esse episódio, e com a Fiel cobrando grandes apresentações do jovem jogador, passou a alternar boas e más apresentações, tanto que após o gol do título, ficou exatos 105 dias sem balançar novamente as redes adversárias. Como a pressão estava muito grande, a diretoria resolveu empresta-lo. Em 1990 foi defender o São José, e depois ao Olímpia. 
Em 1992, aos 23 anos, Viola retornou ao clube, mas não foi muito aproveitado nesse ano, ficando mais na reserva.
Em 1993, viveu sua melhor fase no clube. Artilheiro do Paulistão com 20 gols, cujas comemorações ficaram marcadas por coreografias das mais inusitadas e variadas, como aquela que imitou um porco ao marcar um gol contra o Palmeiras na final do Paulistão daquele ano.
Graças às suas boas atuações, acabou sendo convocado para disputar a Copa do Mundo de 1994, onde seria Tetracampeão com a Seleção como reserva de Romário.
Em 1995, de volta ao Timão, Viola fatura mais um Campeonato Paulista, e a Copa do Brasil.
Foram 283 jogos, e 105 gols com o manto alvinegro.
Em 1995 mesmo, acabou sendo negociado com o Valencia da Espanha. Lá, devido a não adaptação, acabou não rendendo o esperado e acabou retornado ao Brasil em 1996.
Defendeu posteriormente o Palmeiras, o Santos, o Vasco da Gama, o Santos novamente, o Gaziantepspor da Turquia, o Guarani de Campinas, o Bahia, o Flamengo, Juventus, Uberlândia, Duque de Caxias, Angra dos Reis e Resende.
Seu último contrato foi com o Brusque de Santa Catarina em 2010.
Viola participa também de partidas exibições pela equipe Masters do Corinthians.

(Comemorando o gol do título de 1988 ao lado de Paulinho)


(Ao lado de Tupãzinho e Marcelinho Carioca)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1981 ANO DO PRIMEIRO REBAIXAMENTO DO CORINTHIANS

1981 será um ano para ser esquecido pelos torcedores corinthianos. No Brasileiro, o time alcança sua pior classificação de sua história em campeonatos brasileiro, a 26º colocação. No Campeonato Paulista, que classificava apenas os 7 primeiros colocados automaticamente para o Brasileirão do ano seguinte, o Timão acabou na 8ª colocação, e viu-se obrigado a disputar a Taça de Prata, nome que se dava à segunda divisão do Campeonato Brasileiro. 
(Rondinelli, Gomes, Zé Maria, Rafael, Caçapava e Wladimir. Agachados: Biro-Biro, Sócrates, Mário, Zenon e Paulo César Caju)

TODOS OS UNIFORMES OFICIAIS DO CORINTHIANS

O primeiro uniforme do Timão era uma cópia do Time Inglês, Camisas bege e Calções Pretos. Como era difícil encontrar calções desta cor, o time utilizou calções brancos . O engraçado, era que o Calção do time inglês era na verdade azul escuro.
Em sua estréia no Futebol Oficial, em 1913, o Time aparece vestido com camisas brancas e calções pretos, cujas primeiras camisas  teriam sido feitas com sacos de farinha. Neste periodo que compreende os anos de 1913 a 1919, a única mudança seria em relação ao distintivo.


A partir de 1919 a camisa ganha um novo distintivo, perde a gola e os punhos pretos.


Em 1939 surge o distintivo com a âncora e os remos. Voltam a gola e os detalhes das mangas em preto.


Em 1949, em homenagem ao Torino da Itália, cujo time havia sido dizimado em acidente aéreo quatro dias antes, o Timão enfrenta a Lusa em um amistoso, vestindo uma camisa grená.

Em 1965 o Timão representa a Seleção Brasileira com a camisa azul da antiga CBD, em um amistoso contra o Arsenal da Ing…

A HISTÓRIA DO CLÁSSICO - CORINTHIANS X SANTOS

Dentre os times considerados grandes do futebol paulista, Corinthians e Santos é considerado o clássico mais antigo. A primeira partida envolvendo as duas agremiações nesse centenário confronto ocorreu em 22 de junho de 1913 com vitória do time praiano por 6 x 3. A primeira vitória do Timão aconteceu apenas em 26 de agosto de 1917 quando  venceu por 3 x 0 todos marcados por Neco. Em 11 de julho de 1920, o Corinthians aplicou sua maior goleada contra o Santos 11 x 0. A partida realizada na Vila Belmiro teve que ser interrompida aos 21 minutos do 2º tempo, já que os jogadores do Santos começaram a forçar expulsões até ficarem com um número insuficiente para que a partida pudesse ser concluída. Os heróis daquela tarde foram : Colombo, Nando, Gano, Garcia, Amilcar, Ciasca, Américo, Neco, Bororó, Gambarotta e Basílio (Foto abaixo)



Em 4 de setembro de 1927 foi a vez do time praiano aplicar uma goleada de 8 x 3.
Em janeiro de 1931 a torcida corinthiana lota 80 vagões de trem que saíram das …