Pular para o conteúdo principal

GRANDES ÍDOLOS - AMILCAR BARBUY

Amilcar Barbuy, ao lado de Neco, foi o primeiro grande ídolo do Timão. Nascido em Rio das Pedras, ainda garoto, veio para São Paulo. Começou atuando no E.C. Galopino, depois passou pelo Belo Horizonte e Botafogo do Bom Retiro, famoso time varzeano da época apelidado de o "Galo da Várzea". Quando o Botafogo foi fechado pela polícia, Amilcar foi procurar um outro clube para jogar.
O novato Corinthians acabou sendo o time escolhido. Sua estréia foi no dia 7 de setembro de 1913 na vitória por 2 x 0 sobre o Germânia em jogo válido pelo Paulistão daquele ano. Nesta partida Amilcar marcou o seu primeiro gol com a camisa alvinegra.
Transformado em capitão da equipe, Amilcar logo tratou de trazer dos quadros inferiores um jogador que lá despontava, o jovem Neco.
Em 1914 conquista de forma invicta o seu primeiro Campeonato Paulista.
Em 1915, como o Timão só disputou alguns jogos amistosos, vários de seus jogadores foram procurar outros clubes para jogar. Amilcar foi um deles ao defender o recém criado time do Palestra Itália em seu jogo inaugural no més de janeiro contra o Savóia time do interior paulista.
Em 1916 já de volta ao Corinthians fatura seu segundo título do Paulistão.
Nesse mesmo ano é convocado pela primeira vez para servir a Seleção Brasileira no Sul-americano da Argentina.
Em 1918 deixa de atuar como atacante, e passa a jogar na posição de centromédio, posição da qual ganharia fama.
Em 1918, ao lado de outros jogadores colaborou na construção do primeiro estádio do time localizado na Ponte Grande.
Em 1919 conquista com a Seleção Brasileira o Sul-americano jogando ao lado de Neco .
Em 1922 conquista seu 3º Paulistão, agora o do Centenário da Independência, e o Bicampeonato Sul-americano com a Seleção Brasileira.
Em 1923 conquista seu 4º e último Paulistão com o manto alvinegro.
Em 1924, após desentendimento com diretores do clube  que tiraram a concessão do bar que seu avô tinha dentro do estádio, vai jogar no rival Palestra Itália, clube que já era sócio desde sua fundação por ser um oriundi. italiano.
No Palestra conquistou o Bicampeonato Paulista de 1926/1927.
Em 1931 vai para a Itália trabalhar como técnico do time da Lázio, que era composta basicamente por jogadores brasileiros.
Quando retornou ao Brasil treinou alguns clubes, inclusive o Corinthians em 3 oportunidades - 1934/1935, 1937 e 1943.
Como é de costume da diretoria corinthiana esquecer e abandonar seus ídolos, com Amilcar não poderia ser diferente. Segundo seu filho, Amilcar  que faleceu em 1965, morreu magoado com o clube que tantas glórias deu, tendo sido inclusive enterrado com a camisa do Palmeiras clube que também defendeu, e o valorizou em vida.
 Para alguns veteranos que sobreviveram para fazer a comparação, Amilcar foi somente inferior a Pelé.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1981 ANO DO PRIMEIRO REBAIXAMENTO DO CORINTHIANS

1981 será um ano para ser esquecido pelos torcedores corinthianos. No Brasileiro, o time alcança sua pior classificação de sua história em campeonatos brasileiro, a 26º colocação. No Campeonato Paulista, que classificava apenas os 7 primeiros colocados automaticamente para o Brasileirão do ano seguinte, o Timão acabou na 8ª colocação, e viu-se obrigado a disputar a Taça de Prata, nome que se dava à segunda divisão do Campeonato Brasileiro. 
(Rondinelli, Gomes, Zé Maria, Rafael, Caçapava e Wladimir. Agachados: Biro-Biro, Sócrates, Mário, Zenon e Paulo César Caju)

TODOS OS UNIFORMES OFICIAIS DO CORINTHIANS

O primeiro uniforme do Timão era uma cópia do Time Inglês, Camisas bege e Calções Pretos. Como era difícil encontrar calções desta cor, o time utilizou calções brancos . O engraçado, era que o Calção do time inglês era na verdade azul escuro.
Em sua estréia no Futebol Oficial, em 1913, o Time aparece vestido com camisas brancas e calções pretos, cujas primeiras camisas  teriam sido feitas com sacos de farinha. Neste periodo que compreende os anos de 1913 a 1919, a única mudança seria em relação ao distintivo.


A partir de 1919 a camisa ganha um novo distintivo, perde a gola e os punhos pretos.


Em 1939 surge o distintivo com a âncora e os remos. Voltam a gola e os detalhes das mangas em preto.


Em 1949, em homenagem ao Torino da Itália, cujo time havia sido dizimado em acidente aéreo quatro dias antes, o Timão enfrenta a Lusa em um amistoso, vestindo uma camisa grená.

Em 1965 o Timão representa a Seleção Brasileira com a camisa azul da antiga CBD, em um amistoso contra o Arsenal da Ing…

A HISTÓRIA DO CLÁSSICO - CORINTHIANS X SANTOS

Dentre os times considerados grandes do futebol paulista, Corinthians e Santos é considerado o clássico mais antigo. A primeira partida envolvendo as duas agremiações nesse centenário confronto ocorreu em 22 de junho de 1913 com vitória do time praiano por 6 x 3. A primeira vitória do Timão aconteceu apenas em 26 de agosto de 1917 quando  venceu por 3 x 0 todos marcados por Neco. Em 11 de julho de 1920, o Corinthians aplicou sua maior goleada contra o Santos 11 x 0. A partida realizada na Vila Belmiro teve que ser interrompida aos 21 minutos do 2º tempo, já que os jogadores do Santos começaram a forçar expulsões até ficarem com um número insuficiente para que a partida pudesse ser concluída. Os heróis daquela tarde foram : Colombo, Nando, Gano, Garcia, Amilcar, Ciasca, Américo, Neco, Bororó, Gambarotta e Basílio (Foto abaixo)



Em 4 de setembro de 1927 foi a vez do time praiano aplicar uma goleada de 8 x 3.
Em janeiro de 1931 a torcida corinthiana lota 80 vagões de trem que saíram das …